Arquivo para dezembro \22\UTC 2010

Periódico.

 

Abaixo da cara…um museu de dias.

Antes que o ano acabe, um porém. Quem acabou com o ano? Eu não acabei. Periódico de vida feito, uma convenção convencida, um danado tempo a correr. Percorre o tempo dos nossos dias idos e vindos, a posse do ano novo, ainda não tomei. Quando nasce o sorriso do ano – de novo – o ano ido permanece em caixa de passados, guardado como lembrança. Caixa não caxias: quantos sorrisos de anos guardados, quantos anos novos no decorrer do ano percorrido, quando a misturar no misturado do tempo.(?) Um ano novo quando o ano é novo. Que o ano não tenha mês, data ou hora para começar. Que seja novo quando é novo.

 

 

O que há de novo no ano novo?

Desejo anos novos, nossos.

Até o retorno, em janeiro.

 

Anúncios

amoroso inesperado conjunto

 

achei sua palavra

na esquina da minha letra

nasci em outras sílabas


agora nossas palavras rimam,

combinam

se mimam

 

vamos andar de mãos dadas

na mesma órbita de sentido

?


meu verbo revisa seu tempo, mas

pouco alento,

nosso presente

ainda está no subjuntivo.


..

POLÊMICA DOS OLHOS DE DENTRO

(isto um dia será texto.)

desgosto a conta gotas

Meu esgoto me esgota, não cesso de pingar minhas gotas nada ex. Desgosto é meu esgoto, em verdade, é meu esgoto que me gosta. Presentes, portanto, minhas gotas que me gastam, me gotejam, me cansam, me esgotam.  Glória se elas me ex-gotassem, se não me fizessem mais goteira, porém, elas insistem, me tiram as gotas d’água que  bebo – fazem-me esgoto. E,

Tenho sede.

os ângulos d’um nome

 

tem uma reta na esquina do meu quarto. mal acompanhada por um lado ela, e eu, impiedade, queria tanto dar-lhe um ser. propus chamar a reta de Rita – Eu dizia rita, e ela me respondia reta, eu gritava e caluniava RITA(!), ela, parada, fazia reta. Eu olhava para Rita, ela se passava reta.

 

disse eu rita, Rita, RITA

ela só reta

 

queria dar o nome de Rita a uma reta,

mas ela não me responderia. desisti.

 

difícil, edifício.

Casa no teto da casa, outra casa em cima da casa faz teto para a casa. Quem casa? Uma casa. Casa com outra casa, acima de si, a sustenta, agüenta. Depois que uma casa casa com outra casa, vira prédio. É difícil ver a casa em outro nível de estrutura, casa sobre casa, edifício. Qual é a casa que sobre a minha casa faz tudo ser difícil, me faz edifício, como cair em um precipício para cima? Ih, não sei. Sei que há casa sobre a casa pois casas casaram e ficaram muito difíceis: viraram edifício.


Noitada

 

Uns

álcool

outros

água

há quem

leite

 

 

(companhia

d’ácool

mata sede

d’água

nosso

deleite)


 

%d blogueiros gostam disto: